Questões sobre Kendô da Faculdade Multivix

Questionário respondido pelo nosso praticante Jorge, para auxilio de alunos da disciplina de Lutas do curso de Educação Física, na Faculdade Multivix – professor Samuel Thomazini.


1. Qual(is) o(s) objetivo(s) a serem alcançados nessa luta?

O Kendô, que em português significa “caminho da espada”, consiste em uma arte marcial japonesa cujas técnicas de combate atuais foram idealizadas para os tempos modernos, não mais para a guerra e os campos de batalha, mas sim para o desenvolvimento não só físico dos seus praticantes, como também do seu caráter. Dessa forma, mesmo que suas técnicas atuais tenham adquirido novos propósitos, alguns dentre os inúmeros objetivos dessa luta consistem na aplicação da forma correta de seus golpes, ou seja, não atacar por atacar, nem golpear por golpear.

Assim, sua prática tem como meta a execução correta visando aprimorar a biomecânica dos movimentos de tal modo que haja um desempenho considerado adequado na realização dos movimentos. Em termos de golpes, os principais pontos do corpo do oponente a serem acertados são a cabeça, o abdome e os antebraços, sendo estes devidamente protegidos pelos equipamentos e protetores. Cabe frisar que ataques a demais partes do corpo são vetatos.
Importante destacar que se utiliza uma espada de bambu, chamada “Shinai” cuja maneira correta de se empunhar representa uma das principais exigências dos professores, ou seja, são questões quem não podem ser negligenciadas desde o principiante até os mais graduados.

Por fim, além da tradução literal do significado da palavra Kendô, pode-se interpretar seu sentido como “a arte de fazer bem as coisas”, ou seja, obedecer a rigorosas normas de etiqueta quanto a cordialidade aos mestres e companheiros de treino, vestir-se adequadamente cuidando de seu equipamento e do local onde se pratica. De modo tal que não é apenas um sistema puro e simples de atividades físicas, repetição constante e busca da perfeição dos movimentos. O Kendô é uma arte cujo alcance busca o aprimoramento do ser humano como um todo, sendo capaz de realizar bem atém mesmo o mais corriqueiro gesto do cotidiano, sua dimensão vai muito além do fato de muitos verem sua pratica apenas com um esporte.

2. Como são as aulas, o que é considerado importante o aluno aprender?


As aulas ocorrem em locais amplos e que possuam segurança para seus praticantes. Deve-se observar a rígidas normas de etiqueta. Inicialmente todos alunos em formação sentam-se de frente para o Sensei (professor). Todos fazem cumprimento em reverência ao sensei e aos mestres mais antigos, ou antepassados. Cabe destacar que a observação dessas normas de etiqueta são de suma importância e qualquer inadequação ao serem realizadas é considerada como uma atitude rude, não sendo bem vista pelos professores e colegas de treino.

Durante as aulas são praticadas várias técnicas com a shinai visando sua aplicação correta. Ou seja, empunhar corretamente, buscar acertar os alvos, observar a posição das pernas e movimentação das mesmas. Em se tratando de uma arte marcial japonesa, seus fundamentos também são praticados por meio de katas (formas) sendo um sistema de treinamento com uma sequência pré-estabelecida de movimentos em que o objetivo, mais uma vez, consiste na execução correta dos mesmos. Cabe destacar a importância de os alunos desde o princípio buscar realizar o gesto motor dos golpes na sua forma correta, não visando velocidade e força. Conforme vão avançando os praticantes buscam melhor a velocidade, em seguida a força dos movimentos e assim por diante, numa progressão que só será adquirida conforme anos de prática.

Por fim, a aula encerra da mesma forma que iniciou, com o cumprimento em sinal de respeito ao professor e companheiros.

3. Existe idade mínima e máxima para praticar?


Quanto a esta questão cabe tentar ser razoável ao se iniciar os treinamentos, tanto por parte dos pais de uma criança ou de alguém já em idade avançada. O critério pode variar, mas seria interessante para uma criança ter uma idade mínima entre 5 e 6 anos. Quanto a uma pessoa com mais idade não há limite, fica a critério de sua vontade e disposição, mesmo sabendo que podem haver limitações.

4. Há diferenças no ensino ou treinamento para crianças, adolescentes
e adultos? Quais? Quais os métodos utilizados?

Mais uma vez, vale tentar ser razoável neste ponto. Pois não se pode exigir de uma criança, de um idoso, ou alguém que tenha limitações a perfeita execução do gesto motor. Essa questão ficará a critério do sensei que escolherá uma metodologia mais adequada para cada faixa etária. Importante destacar que a maioria dos professores possui um critério que visa ensinar as técnicas de modo progressivo, ou seja, partir das mais simples e conforme o aluno vai se desenvolvendo transmitir técnicas mais complexas, de acordo com a maturidade do aluno para absorver esses pontos mais específicos.


5. É possível um deficiente físico praticar essa modalidade? Como?

Embora seja uma luta, no Kendô o contato físico e a segurança são pontos rigidamente observados pelos praticantes de modo tal, que dificilmente ocorrerão lesões sérias em suas práticas. Assim como muitas outras atividades, pode haver uma adaptação para que pessoas com certas limitações possam práticas. Esse ponto ficará a critério do professor e das demandas específicas do aluno.


6. Quais habilidades motoras são utilizadas?


Dentre as habilidades motoras fundamentais são observadas as manipulativas, manuseio do shinai, Habilidades de locomoção, com passadas largas, desvios, locomover-se para frente e para trás. Habilidades de estabilização, flexionar, estender corretamente braços e pernas, giros após aplicação de golpes, manter o equilíbrio, dentre outras.

7. Existem outras habilidades necessárias? (Quais?)

Além das motoras fundamentais, é necessário que o praticante tenha um nível de concentração apropriado, aprenda a controlar sua agressividade, tenha uma melhor consciência do seu corpo e como ele se desloca no espaço. Mas essas são habilidades que podem ser adquiridas com a prática constante e diligente nos treinamentos.


8. Qual a(s) relações dessa modalidade com a saúde?


Como qualquer atividade física o Kendô traz inúmeros benefícios para a saúde física e mental. Melhora os reflexos, permite que os praticantes fiquem mais atentos, melhora a calma e concentração, trabalha a questão da respiração, muito negligenciada por outras práticas. Enfim, dificilmente algum praticante relatará piora em seu quadro geral de saúde.

9. Existem valores específicos nessa modalidade? Quais?

Provavelmente o Kendô seja a arte marcial que melhor transmite o significado do “budo” japonês. Ao mesmo tempo em que o praticante reconhece os inúmeros benefícios de sua prática, não encontrará jamais uma resposta satisfatória pertinente aos valores dessa modalidade. Respeito, disciplina, autoconhecimento, talvez sejam alguns dos termos que mais facilmente venham a mente. Contudo, é provável que somente com o treino, constante, diligente, o praticante venha a compreender a real dimensão daquilo que está fazendo, e, a partir daí, construir seus próprios valores, sua própria maneira de compreender a arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *